X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

FRIGORÍFICO X PECUARISTA - O QUE ACONTECE?

PRINCIPAIS MITOS E VERDADES SOBRE ESSA RELAÇÃO - ENTREVISTA DBO

FRIGORÍFICO X PECUARISTA - O QUE ACONTECE?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Autor: CAIO DE ASSIS ROSSATO

Postado: 14/01/2020

Falta de comunicação entre pecuaristas e frigoríficos gera equívocos de manejo, que podem reduzir em até 70% do valor de carcaça.

ADAPTADO DE DBO (Por Ariosto Mesquita)

O relacionamento entre pecuaristas e frigoríficos deverá ir muito além das negociações pela arroba e classificação dos animais no gancho, mais ainda continuará conturbado, como mostrou o Workshop Carcaça Ideal, realizado em Campo Grande, MS, pela Consultoria PecBr. A falta de harmonia entre os dois principais elos da cadeia pecuária bovina tem impedido a adoção de práticas de manejo que poderiam evitar penalizações na inspeção sanitária, garantir carcaças mais rentáveis e melhorar a rentabilidade dos dois segmentos, especialmente do pecuarista. Mesmo tendo ocorrido alguns avanços nessa relação nos últimos anos, uma interação mais afinada continua sendo tabu.

O Zootecnista Caio Rossato diretor da PecBr, que intermedia vendas e acompanha abates, decidiu mergulhar no assunto. No evento realizado pela empresa (misto de workshop com curso), Rossato lembrou, por exemplo, que descuidos ou equívocos no manejo de embarque dos bovinos na fazenda e desembarque no frigorifico, que deveriam seguir protocolos acordados, porem reduzir o valor do normal em até 70%. “Muitos produtores ainda convivem de forma conturbada com a indústria e lhe atribuem toda a culpa pelo baixo rendimento ou eventual desclassificação das carcaças. Já os frigoríficos costumam jogar a responsabilidade por lesões exclusivamente nos pecuaristas. Temos de separar o que é mito e o que é de verdade nessa relação”. Observou Rossato que, de 2014 a 2019, acompanhou o abate de 2.200 lotes de bovinos, oriundos de fazendas de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Goiás e Paraguai.

FRIGORÍFICO X PECUARISTA - O QUE ACONTECE?

FOTO - EVENTO PROMOVIDO PELA PECBR FOCADO EM CONTRIBUIR PARA MAIOR RENTABILIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DA CARNE.

INDUSTRIA É CLIENTE

Segundo ele, os pecuaristas são fornecedores de matéria prima e, por isso, têm de enxergar a indústria como cliente. “A harmonia é fundamental nesse processo. Caso o fornecedor tenha um produto de boa qualidade, vai encontrar quem pague por ele, mais é do processamento dos animais na fazenda ao manejo pré-abate na indústria que ocorrem equívocos capazes de derrubar o rendimento final da carcaça”, disse Rossato. “Um embarque mal feito, causa muitas lesões nos animais e esses traumatismos são focos de proliferação de bactérias, por isso a inspeção determina sua retirada”, exemplificou.

Essa contusões, segundo ele, também ocorrem durante o transporte que, invariavelmente, é de responsabilidade da indústria (frota própria ou terceirizada). Podem acontecer pisoteio, queda e acidentes provocados por más condições de viagem ou mesmo deficiência estrutural dos veículos. “A estrada e o motorista são os maiores causadores de hematomas. A quantidade de animais alojados no veículo a categoria do lote a distância percorrida também importam. Quando o pecuarista percebe qualquer irregularidade na saída da fazenda deve comunicar imediatamente à indústria”, disse o consultor.

 

CUIDADOS NA VACINAÇÃO

Outro motivo de quebra de rendimento, são as lesões vacinais, que também exigem retirada do local afetado, devido ao risco de contaminação. Elas ocorrem em função de componentes da vacina ou de equívocos durante a aplicação do produto. “Economizar na vacinação é dar um tiro no próprio pé. Recentemente, acompanhei do abate de um lote de 165 animais. Ao final, 13,9% dos bovinos estavam com abscessos. A perda total foi de 111 arrobas. Ao valor de R$ 127,2 a cada arroba, isso representou um prejuízo de R$ 14.123,00”, relatou Rossato. Antes do embarque de fêmeas, ele recomenda que seja feito na fazenda um diagnóstico de prenhes para se identificar e apartar aquelas que estejam cheias: “Já vi abate com perda de 1,5% na carcaça pela presença do bezerro (feto)”.

O zootecnista tem por habito levar periodicamente pecuaristas, gerentes e gestores de fazendas para acompanhar abates nas indústrias e defende este procedimento para melhor a compreensão do processo de aproximação entre as partes. “Muitos produtores reclamam mas nunca visitaram uma indústria. Quando o fazem e conferem a quantidade de perdas por equívocos dentro da porteira, acabam mudando a rotina na fazenda e ganhando em eficiência”, relata um consultor.

CLIQUE AQUI PARA CURSO ONLINE – ACOMPANHAMENTO TÉCNICO DE ABATES 2.0

FRIGORÍFICO X PECUARISTA - O QUE ACONTECE?

ESSE ARTIGO FOI ESCRITO PELO JORNALISTA ARIOSTO MESQUITA E PUBLICADO PELA REVISTA DBO - JANEIRO/2019

CONHEÇA O TRABALHO DA PECBR CONSULTORIA 

UMA EMPRESA REFERÊNCIA EM ACOMPANHAMENTO TÉCNICO DE ABATES

IMPORTÂNCIA DA IDADE DE BOVINOS E A BONIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Deixe seu comentário aqui:

Este website utiliza cookies próprios e de terceiros a fim de personalizar o conteúdo, melhorar a experiência do usuário, fornecer funções de mídias sociais e analisar o tráfego.
Para continuar navegando você deve concordar com nossa Política de Privacidade.

Sim, eu aceito.