X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

PECUARISTAS REIVINDICAM CARCAÇA INTEGRAL AO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

Pecuaristas pedem ao Mapa que normatize a toalete na indústria para evitar perdas, que, segundo pesquisa da UFT, podem chegar a [email protected] por animal.

PECUARISTAS REIVINDICAM CARCAÇA INTEGRAL AO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Autor: CAIO DE ASSIS ROSSATO

Postado: 02/07/2020

     Como lidar com um problema que já é considerado crônico no país? Algumas associações e instituições tem buscado um caminho para assegurar a proteção do pecuarista no momento do abate. Viemos aqui trazer um pouco de reflexão sobre quais atitudes podem ser tomadas para que o produtor tenha respaldo e segurança no momento do abate. Veja a reportagem tão bem explanada pela Revista DBO em que concedemos uma entrevista. (PECBR CONSULTORIA)

LEIA A REPORTAGEM REVISTA DBO:

Por Carolina Rodrigues [email protected]

    O rendimento de carcaça sempre foi motivo de conflito na cadeia pecuária bovina: produtores reclamam do sistema de pagamento pelo animal abatido, com base no peso pós-toalete (limpeza da carcaça); frigoríficos argumentam que adotam procedimentos criteriosos, que podem ser conferidos in loco pelo produtor.

    A falta de um padrão nacional, contudo, dificulta a eliminação de arestas. Neste mês de maio, a questão voltou à pauta do GPB (Grupo Pecuária Brasil), que, ao lado da Universidade Federal do Tocantins (UFT), enviou um parecer técnico ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) reivindicando a publicação de uma instrução normativa sobre o tema, definindo claramente o que o frigorífico pode ou não retirar da carcaça.

    O pedido respaldou-se em um levantamento realizado pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) em pequenos frigoríficos do Estado, nos últimos 10 anos. Além de constatar desuniformidade de métodos de toalete no Brasil, a instituição calculou o que ela extrai da carcaça (apenas em gordura) e o que isso significaria em dinheiro. “Fizemos cálculos em vários estudos e chegamos a perdas altas, que merecem uma discussão dentro da cadeia e com o Ministério. O produtor tem direito de receber pelo que efetivamente entrega”, diz o pesquisador da UFT, José Neumann Miranda Neiva, que coordenou alguns desses estudos com carcaças e é um dos apoiadores do movimento “Levanta Cabeça”, criado por produtores de Araguaína há um ano. No documento entregue ao Mapa, os produtores pedem (enquanto não se tem regulamentação mais completa) o cumprimento da Instrução Normativa Nº 9, de maio de 2014, que define o que é carcaça bovina, e do decreto Nº 9.013, de março de 2017, que também trata do tema. Na prática, isso significaria remuneração pelo rendimento de carcaça quente integral (RCQI) ou peso pré-toalete, desejo acalentado também pelos produtores uruguaios.

    Após muita disputa com a indústria de seu país, eles perderam a batalha, mas conseguiram do governo, em 2016, um “protocolo de dressing máximo” que detalha item por item o que pode (e como) ser retirado da carcaça. No Uruguai, o percentual de dressing, fiscalizado por técnicos do INAC (Instituto Nacional da Carne), varia de 6% a 8%.

    Auditores do Mapa já se posicionaram, por meio de ofícios internos, contra excessos na toalete das carcaças no Brasil – retirada de parte da musculatura ventral do pescoço, do obturador interno (aranha) e do reto abdominal (pacu) –, mas os produtores reclamam que falta um posicionamento oficial do órgão de modo a coibir irregularidades. “Temos leis e portarias que nos resguardam quanto ao que é carcaça bovina. A retirada de certas gorduras e partes de músculos não consta de nenhuma delas, mas isso não é cumprido”, argumenta Oswaldo Furlan, fundador do GPB, grupo que reúne, junto com seus coligados, 14.533 pecuaristas de 17 Estados brasileiros e Distrito Federal.

CLIQUE AQUI E ASSINE A DBO, MAIOR REVISTA DE PECÚARIA DO BRASIL

 

PESQUISA MENSURA PREJUÍZOS

    A Universidade do Tocantins iniciou suas pesquisas com frigoríficos regionais há 10 anos, inicialmente para avaliar o reflexo de dietas bovinas sobre o peso e rendimento das carcaças. Os pesquisadores notaram, contudo, uma grande disparidade entre os resultados obtidos e os projetados, o que acabou levando à análise da toalete. Eles decidiram mensurar a quantidade de gordura extraída durante esse processo de limpeza, antes da pesagem das meias carcaças para pagamento ao produtor, e depois reconstruir o que chamaram de “carcaça integral” (sem toalete). José Neumann explica que, em algumas plantas,principalmente aquelas habilitadas para exportação, observou- se a retirada de até 15 kg ([email protected]) de gordura durante a toalete antes da pesagem da carcaça. Se a IN 9 fosse seguida, o produtor teria ganhado R$ 150 a mais por boi (valor da @ em maio de 2019).

PECUARISTAS REIVINDICAM CARCAÇA INTEGRAL AO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

    Nos estudos da UFT, não foram consideradas as gorduras perirrenal e inguinal, cuja exclusão da carcaça é autorizada pela Instrução Normativa Nº 9. Também não foram feitas avaliações de perdas de músculos (parte comestível da carcaça), embora observações indiquem que elas também podem chegar a [email protected], segundo o professor. A gordura foi escolhida para a pesquisa porque é separada e destinada à fabricação de biodiesel, processo que facilitou sua pesagem. Segundo Neumann, dados de massas musculares devem ser coletados em uma etapa mais avançada dos trabalhos. “Existe uma dificuldade para coleta desse tipo de informação, porque os frigoríficos restringem a entrada nas plantas a no máximo cinco pessoas. Seriam necessárias pelo menos 10 para avançarmos nisso”, contabiliza.

    Os estudos da Universidade Federal do Tocantins foram realizados em quatro frigoríficos regionais: LKJ, Boi Brasil, Masterboi e o abatedouro municipal de Araguaína. Foram considerados os rendimentos da carcaça quente (RCQ) pós-toalete, pelo qual o produtor é pago, e o rendimento da carcaça quente integral (RCQI), antes da toalete de machos inteiros e novilhas. A diferença média entre os dois pesos, em seis estudos, foi de 9,26kg (veja tabela acima). Com a arroba R$ 150, chegasse ao valor médio de R$ 92,60 por animal abatido (R$ 111, no caso dos machos inteiros), que o produtor deixou de ganhar, considerando-se a definição de carcaça da IN 9. Mesmo não contabilizando a retirada somente de gordura, a diferença entre o RCQ e o RCQI foi de 2,19 pontos percentuais.

    De acordo com Neumann, os resultados comprovam que a frequente divergência entre os rendimentos de carcaça esperados e os rendimentos obtidos no abate não ocorre ao acaso, nem é fruto do hábito de “ reclamar do pecuarista”. De acordo com o documento entregue ao Mapa, “quando se compara os rendimentos de raças conhecidas mundialmente, como a Angus, os rendimentos obtidos no Brasil estão sempre abaixo dos obtidos em outros países, mesmo em condições semelhantes de manejo e alimentação.” Neumann pontua, ainda, que os sistemas de bonificação da indústria são uma espécie de “toma lá dá cá” nada favorável ao produtor. “Muitas vezes, o produtor vende seus animais para determinada indústria que lhe oferece R$ 5 a mais por arroba, mas, dependendo do padrão da toalete, ela recupera a bonificação com certa folga. Animais que dariam 53% de rendimento, dão 52%. É um ágio ilusório diz o pesquisador, garantindo que certos frigoríficos menores apoiam a definição de regras mais claras nessa área, pois acreditam que se tornarão mais competitivos frente aos grandes. “Esse pessoal paga menos, mas tem rendimento de carcaça melhor. O produtor precisa estar atento”.

    ACOMPANHAMENTO DE ABATE

    Embora concorde com a necessidade de regulamentação do setor, Caio Rossato, fundador da Consultoria PECBR, especializada em acompanhamento de abates, diz que o produtor pode minimizar eventuais perdas na toalete se informando melhor sobre o padrão da indústria onde abate seus animais. “Os grandes frigoríficos têm protocolos de qualidade e especialistas de originação que acompanham o abate e conferem os padrões de toalete.

    Tudo isso é passado com muita transparência para o pecuarista, que, em caso de divergência quanto ao protocolo estabelecido, pode ser ressarcido pelo desvio”, pontua Rossato. “Conhecendo bem o padrão de cada indústria, é possível tomar decisões de forma consciente e prever a real estimativa do rendimento”, acrescenta o consultor.

PECUARISTAS REIVINDICAM CARCAÇA INTEGRAL AO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

 

    Rossato recomenda que o acompanhamento de abate seja feito com o maior embasamento técnico possível. “Isso não exclui a problemática, mas ajuda o produtor a lidar com ela e reduzir possíveis perdas”. Nos últimos anos, a PECBR tem dado consultoria para os frigoríficos que, segundo ele, estão cada vez mais empenhados em discutir o assunto e seguir corretamente o protocolo de toalete. “A questão da mão de obra na linha do abate ainda é um gargalo, mas é algo que tem melhorado nos últimos anos. A indústria tem se mostrado aberta à questão e isso é muito positivo porque não se muda um setor na queda de braço”, avalia.

    Para Furlan, essas medidas ajudam, mas não resolvem o impasse. “Se pensarmos assim, o produtor sempre terá de se readequar para tentar reduzir perdas e não significa que elas serão anuladas”, rebate o representante do GPB. “O pecuarista deve sim conhecer o padrão de toalete do frigorífico, mas deve estar amparado por leis que não o submetam a condições impostas pela indústria”, acrescenta. “O padrão não pode ser irregular, nem personificado. Deve haver um padrão oficial”.

 

   CONCLUSÃO PECBR

    A busca pelo resultado no momento do abate pode determinar margens importantes no sistema de produção, podendo refletir em acréscimos na venda em média de 1% a 3% no valor negociado para o pecuarista. Já falamos aqui em alguns artigos a importância da venda estratégica dos lotes, sempre levando em consideração o valor pago pelo lote, rendimento esperado pelo frigorífico e possíveis premiações recebidas pelo lote. Assim tendo estas informações em mãos o pecuarista poderá tomar decisões mais conscientes para onde enviar seus animais, e lembre-se sempre de estreitar relações com boas parcerias.

CURSO PECBR

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Deixe seu comentário aqui: